um pelourinho a dois tempos

  • quinta-feira, dezembro 21, 2017
  • By Paulo Camacho
  • 0 Comments


O pelourinho voltou ao seu local original. Nesta mudança, aproveitaram para ali colocar duas partes da construção original, que estavam na Quinta Museu das Cruzes, no Funchal. Nesse espaço ficou um vazio de ideias que entristece quem olha. Parece que roubaram algo e taparam com cimento o buraco. No fundo, só não roubaram.

As peças originais ainda no Museu Quinta das Cruzes
As duas peças que levaram das Cruzes são em brecha calcária da Serra da Arrábida, no Continente. As outras peças que o integram, que os entendidos dizem ser Brecha Algarve, são claras e desacertadas sem harmonia cromática.
A esperança é que escureçam com o tempo, e se aproximem dos originais trabalhados pela natureza há muitos séculos. Afinal, não é muito tempo. Havemos de lá chegar para ver se é verdade.
O pelourinho na localização anterior, e ainda sem as peças originais

Reza a história que em 1486, D. Manuel enviou um pelourinho para a ilha, tendo sido instalado no lugar a que deu nome, o Largo do Pelourinho. Além de ser um centro de castigos que pretendiam ser públicos e exemplares, era também o ponto de encontro e passagem de muitas pessoas.

You Might Also Like

0 comentários

you are welcome

thanks for your comment & back again